Os exercícios, quando liberados e bem orientados, contribuem para a diminuição dos efeitos colaterais de alguns tratamentos

De maneira geral, atividades físicas fazem bem à saúde e previnem inúmeras doenças, como infartos, AVCs, controlam diabetes, entre outras enfermidades. Mas e quando o paciente está em tratamento contra o câncer? Os exercícios são liberados?

Com a devida autorização médica e acompanhamento de um profissional, as atividades são bem benéficas para o controle de efeitos colaterais de tratamentos como a quimioterapia, melhora a disposição dos pacientes, aumenta o apetite e fortalece o corpo.

Dr. Leandro Almeida Assunção, médico oncologista da Oncoradium Parauapebas, reforça os benefícios dos exercícios.

“Práticas rotineiras, como uma simples caminhada diária, reduzem as dores musculares e a sensação de fraqueza que o tratamento promove. As atividades físicas regulares podem ser realizadas durante o tratamento oncológico sim, mas sempre com a supervisão adequada e após liberação do médico”, pontua.

O sedentarismo, associado a repouso prolongado, acarreta na redução do volume da musculatura, desencadeando a atrofia muscular e a diminuição da amplitude do movimento de qualquer pessoa, principalmente o paciente em tratamento oncológico.

Escolha do tipo de exercício

Para definir o tipo de atividade física recomendada para cada paciente, o médico vai levar em consideração vários fatores, como o tipo da doença, tipo do tratamento e o condicionamento físico.

As atividades mais recomendadas são aquelas com menos impacto, como a caminhada, andar de bicicleta, séries de alongamento, hidroginástica, entre outras.

Precauções

Os cuidados antes de iniciar uma atividade física começam na certificação se os níveis sanguíneos estão adequados. Não é recomendado fazer qualquer exercício com anemia e sem se alimentar; evite superfícies irregulares para evitar lesões; e sempre avise o médico caso sinta alguma reação.

Benefícios

O Instituto Nacional do Câncer (INCA) revela que a atividade física está diretamente relacionada à prevenção de câncer de intestino, colo do útero e mama. No caso do câncer de intestino, o acúmulo de substâncias pode alterar as células do intestino que geram tumores.

Já em relação aos tumores na mama, a atividade física ajuda na eliminação da gordura acumulada no abdômen.

Mexa-se

Maria Antônia Moraes faz tratamento contra um câncer no intestino e revela que sentiu muitos benefícios ao fazer atividade física.

“Me sinto muito melhor. Faço o tratamento contra o câncer e as caminhadas e a zumba me ajudam muito a suportar os efeitos”, diz a paciente.

Dr. Leandro também recomenda a prática da atividade física após o término do tratamento.

“Alguns pacientes ganham muito peso e é fundamental que façam exercícios para a melhora da qualidade de vida e auxílio na recuperação após o tratamento. Mexa-se com regularidade, pois ajuda muito a prevenir contra o câncer”, finaliza

Imagem: https://hemomed.com.br