A vitória foi registrada, ao vivo, com música, entrega de certificado e apoio de toda a equipe do centro de tratamento contra o câncer

Superação. Essa é a palavra que Everaldo Barbosa Marinho, de 45 anos, paciente da Oncoradium de Caxias (MA), estampa com orgulho. A finalização do tratamento contra o câncer de linfoma, também chamado de “fim do ciclo” da quimioterapia, foi motivo de celebração para a equipe da unidade, os demais pacientes da unidade e os gestores do Hospital Macrorregional de Caxias, Dr. Jefferson Coutinho e Dra. Claudia Coutinho.

“Agradeço primeiro a Deus. Estou muito feliz por esse dia que foi meu último dia de quimioterapia, todo mundo participou. Quero agradecer a todos os profissionais, de coração mesmo. É muita emoção, hoje é um grande dia para a minha vida. Obrigado a todos da Oncoradium”, contou, emocionado, Everaldo, que é morador da cidade de Gonçalves Dias.

Concluído com sucesso

Como forma de registrar o momento para a posteridade, a Oncoradium entregou a Everaldo um “Certificado de Vida Nova”, atestando sua garra, fé e determinação durante todo o tratamento. Os colaboradores da unidade também levaram música ao vivo para louvar o momento.

Caroline Maranhão, psicóloga e responsável pelo processo de humanização do serviço, conta que “o principal objetivo da ação é internalizar nos pacientes emoções positivas, como resiliência, alegria e gratidão, para que sejam instrumentos de inspiração e incentivo para todos que seguem na luta pela vida”.

O coordenador administrativo da Oncoradium em Caxias, Abraão Viana Maia Alves, ressalta que Everaldo foi o primeiro a concluir o ciclo de quimioterapia. “Essa ação é um marco tanto para a equipe, quanto para o paciente, pois ele venceu todo o processo”, comenta. Agora Everaldo fará alguns retornos médicos para acompanhar a evolução do tratamento.

Solidariedade

Quem também participou da celebração “fim do ciclo” da quimioterapia foi a empresária Mera Castro, que é proprietária de uma gráfica em Caxias. De forma voluntária, ela confeccionou o certificado e as plaquinhas à instituição. “Achei ótimo. Percebo que a clínica faz boas ações e o mundo precisa de pessoas assim, preparadas e sensíveis com essas causas. Os profissionais têm um enorme carinho e zelo pelos pacientes”, afirma a empresária.

“Desde o primeiro trabalho que fechamos com a Mera, percebemos essa solidariedade, ela está sempre disposta a negociar, flexibilizar, cobrir orçamentos e fazer o melhor do seu trabalho”, comentou o coordenador Abraão.