Segundo a médica especialista da Oncoradium Imperatriz, o câncer do colo de útero é um dos mais frequentes tumores na população feminina, atrás somente do câncer de mama, pulmão e do colorretal

De acordo com dados do Instituto Nacional de Câncer (INCA), a estimativa de 2018 para o Maranhão foi de 1.090 casos de câncer de colo de útero. São 30,55 casos para um grupo de 100 mil mulheres.

A doença afeta cerca de meio milhão de mulheres a cada ano no mundo, com a maior parte ocorrendo antes dos 50 anos.

O câncer do colo do útero é causado pela infecção persistente de alguns tipos do Papilomavírus Humano (HPV). Existem mais de 100 variedades de HPV e cada subtipo recebe um número de identificação. Contrair os subtipos 16, 18, 31 e 33 aumenta significativamente o risco de câncer do colo uterino.

Condições precárias de saúde e higiene, comportamento sexual com múltiplos parceiros sem uso de preservativo e tabagismo são outros fatores de risco associados.

Foco na prevenção

A médica oncologista da Oncoradium Imperatriz, Camila Oliveira de Sá, enfatiza a importância da prevenção:

“As alterações iniciais são descobertas no exame preventivo, conhecido como Papanicolau. A partir desses achados, os tratamentos podem ser instituídos precocemente, levando a maior chance de cura da doença.”

Vacinação contra o HPV

O Ministério da Saúde implementou no calendário vacinal, em 2014, a vacina tetravalente contra o HPV para meninas de 9 a 13 anos. A partir de 2017, o Governo estendeu a vacina para meninas de 9 a 14 anos e meninos de 11 a 14 anos. 

Essa vacina protege contra os tipos 6, 11, 16 e 18 do HPV. Os dois primeiros causam verrugas genitais e os dois últimos são responsáveis por cerca de 70% dos casos de câncer do colo do útero.

Como não fornecem proteção contra todos os subtipos causadores do câncer do colo uterino, o exame do Papanicolau é recomendável mesmo em mulheres vacinadas.

Tratamento

De acordo com Camila Sá, o tratamento para cada caso deve ser avaliado e orientado por um médico.

“Entre os tratamentos para o câncer do colo do útero estão a cirurgia, a quimioterapia e a radioterapia. A escolha do melhor tratamento vai depender do estágio que a doença se apresenta”, explicou.

Imagem: http://eshoje.com.br