O mês de agosto traz a cor verde-claro para conscientizar a sociedade

Linfoma é o nome dado ao câncer que atinge o sistema linfático, que, por sua vez, é o responsável pela drenagem de líquidos no corpo e atua como mecanismo de defesa, integrando o sistema imunológico. O Agosto Verde-Claro é dedicado para informar a população sobre as principais características da doença.

De forma geral, o linfoma é uma alteração nas células de defesa do corpo. Ao envelhecerem e não morrerem, elas passam por uma alteração genética que desencadeia uma proliferação, que pode ser ordenada ou não.

Os dois principais tipos

Este tipo de câncer é classificado em dois grandes grupos: Linfoma de Hodgkin, ou Doença de Hodgkin, e Linfoma Não-Hodgkin.

O Linfoma de Hodking pertence ao grupo de tumores que se originam no sistema imunológico e se espalham de forma ordenada de um grupo de linfonodos (ínguas) para outro. Este câncer afeta todas as faixas etárias.

O oncologista clínico da Oncoradium Marabá e Parauapebas, Dr. Leandro Almeida Assunção, informa que “segundo as estimativas do Instituto Nacional do Câncer para 2018/19, a Doença de Hodgkin é o 12º tipo de tumor mais esperado na região norte do país, mas possui condições de cura muito altas a partir de um tratamento com quimioterapia específica”, frisa.

Já sobre o Linfoma Não-Hodgkin, existem 20 subtipos e a sua distribuição no sistema linfático acontece de forma desordenada no corpo inteiro, portanto ele pode surgir em qualquer região do corpo.

O Linfoma não-Hodgkin está na 11ª colocação na frequência de casos novos no biênio, no Pará, e estima-se a incidência de 170 casos, ainda conforme o INCA.

Sinais e tratamento

Uma das características do linfoma são os sintomas mais aparentes, com manifestações físicas, como o aumento dos linfonodos (ínguas), alteração do peso, febre persistente, sudorese noturna, fadiga e perda de peso.

“O diagnóstico é feito a partir da atuação conjunta entre oncologista e o hematologista, que também vão definir o tratamento direcionado para o tipo do câncer. As alternativas são cada vez mais individualizadas e com alta tecnologia”, finaliza Dr. Leandro.

Imagem: https://www.ativosaude.com