A estimativa para o ano passado foi de 330 casos no Maranhão

Setembro é o mês escolhido para celebrar a cor verde de conscientização e prevenção para o câncer no intestino. A doença, também conhecida como câncer de cólon e reto, ou câncer colorretal, abrange os tumores que têm origem no intestino grosso.

A estimativa do Instituto Nacional de Câncer (INCA) para o ano passado foi de 330 casos da doença no Maranhão. Entre os principais sintomas estão o surgimento de tumor na área abdominal com consequente dor na região, perda de peso, anemia e mudança de hábito intestinal.

Fatores de risco e prevenção

O INCA aponta que os principais fatores de riscos para esse câncer estão relacionados, principalmente, ao excesso de peso e idade acima de 50 anos.

O médico cirurgião oncológico da Oncoradium de Caxias, Alexandre Quental, destaca também que os hábitos de vida têm relações com a doença.

“Na maioria dos casos, o câncer de intestino tem relação direta com a alimentação rica em gordura e pobre em fibras, que ajudam na digestão. A recomendação principal é evitar os alimentos condimentados e os ultras processados, e preferir as frutas, verduras, cereais integrais, alimentos in natura e pouco ultraprocessados”, orienta o especialista.

Detecção precoce

A detecção precoce do câncer é uma forma de garantir mais chances de sucesso no tratamento. Dr. Alexandre recomenda que exames para a diagnóstico da doença devem ser feitos em pessoas a partir de 50 anos.

“Todos a partir desta idade devem fazer o exame de colonoscopia e, se tiver parente de primeiro grau com diagnóstico de câncer colorretal, a colonoscopia deve ser feita 10 anos antes do diagnóstico deste parente de primeiro grau”, completa.

O tratamento inicial do câncer no intestino é feito basicamente por meio de cirurgia. As outras fases do tratamento incluem a radioterapia ou a quimioterapia. A forma de tratamento vai depender do estágio da doença em cada paciente.

Imagem: https://www.msn.com